Marina Abramović é uma das artistas performáticas mais conceituadas da atualidade. Iniciou sua carreira no início dos anos 70 e performa até hoje, sendo considerada a “avó da arte performática”, explorando a relação entre o artista e o público, os limites do corpo e da mente.

Durante sua infância, foi muito disciplinada por conta de seus pais e ela acredita que isso tenha influenciado em sua carreira.  Suas principais performances são os “Rhythms“, “Seven Easy Pieces” e o recente “The Artist is Present“.

Eu resolvi falar sobre ela porque eu gosto muito de arte performática/performance artística e todo o questionamento do público sobre o que é arte. Acho que tenho uma paixão especial porque qualquer coisa que consideram estranha ou sem sentido, porque os pontos explorados por estes prova exatamente o contrário. Além disso, ultimamente ela tem sido muito mencionada por começar a trabalhar com artistas como Jay-Z e Lady Gaga (entrevista com a Gaga em 2010, falando sobre a Marina).

RHYTHM 10

Em 1973, ela fez a primeira performance da série que consistia em colocar vinte facas de diferentes tipos alinhadas e gravar a performance com uma fita de áudio. Marina fazia o “jogo da faca” que consiste em mirar a faca nos espaços entre os dedos. Toda vez que ela se cortava, mudava de faca. Depois que todas as vinte facas (todos os ritmos) foram usadas, ela parava a fita e ouvia, concentrada. Logo, repetia a performance, usando as facas na mesma sequência, no mesmo ritmo, se cortando nos mesmos lugares. Os erros do passado e do presente se encontram em sincronia. Ela escuta a fita da primeira e da segunda fita em sincronia e vai embora.

013-rhythm-10

RHYTHM 5

Em 1974, ela construiu uma estrela de madeira e colocava em fogo. Ela anda pela estrela, corta seus cabelos e suas unhas e joga no fogo. Então ela entra na parte central da estrela e deita. No momento, o fogo consumiu todo o oxigênio, fazendo com que ela ficasse inconsciente e duas pessoas que assistiam a retiraram. “Depois do Rhythm 5, eu estava tão incrivelmente irritada por haver um limite na performance e quando você perde a consciência, a performance não está mais acontecendo.”

abramovic.1974.rhythm5

RHYTHM 2

Em consequência do Rhythm 5, ela resolve testar os níveis de inconsciência. Na primeira parte da performance, ela pílula para catatonia, deixando seus músculos imobilizados e permitindo ficar na mesma posição por horas. Por mais que ela não pudesse mover seu corpo, estava lúcida e observava o que estava acontecendo.

Dez minutos depois dos efeitos da primeira pílula passar, ela tomou um para agressividade e depressão, fazendo com que estivesse presente fisicamente, com o corpo, mas mentalmente ausente, fazendo com que ela não tenha nem lembrança dos momentos do efeito.

tumblr_m5hk45bti81qbqatjo1_500

RHYTHM 0 

Essa performance é uma das mais conceituadas e populares da Marina. O objetivo é testar os limites de interação entre o público e o artista. Ela ficava completamente imóvel próxima a uma mesa com setenta e dois objetos que o público podia usar, entre eles: mel, rosas, cartas, uma arma carregada com uma bala e tesoura.

Por seis horas, o público podia interagir como quisesse com a artista. Nas primeiras horas, foram mais tímidos, mas com o tempo passaram a ser mais agressivos. Cortaram a sua barriga, cortaram sua roupa e apontaram uma arma para sua cabeça. “Eu aprendi que se você deixar nas mãos do público, eles podem te matar.” 

“Você também tem a opção de não fazer nada, então por que faz? Qual o limite do público?”

tumblr_mf01aqjDVN1qio96io1_400

Advertisements